Pular para o conteúdo principal

Hino a Solidão

Diz-se que a solidão torna a vida um deserto; 
Mas quem sabe viver com a sua alma nunca 
Se encontra só; a Alma é um mundo, um mundo 
                                                                [aberto 
Cujo átrio, a nossos pés, de pétalas se junca. 

Mundo vasto que mil existências povoam: 
Imagens, concepções, formas do sentimento, 
— Sonhos puros que nele em beleza revoam 
E ficam a brilhar, sóis do seu firmamento. 

Dia a dia, hora a hora, o Pensamento lavra 
Esse fecundo chão onde se esconde e medra 
A semente que vai germinar na Palavra, 
Cantar no Som, flores na Cor, sorrir na Pedra! 

Basta que certa luz de seus raios aqueça 
A semente que jaz na sua leiva escondida, 
Para que ela, a sorrir, desabroche e floresça, 
De perfumes enchendo as estradas da Vida. 

Sei que embora essa luz nem para todos tenha 
O mesmo brilho, o mesmo impulso criador, 
Da Glória, sempre vã, todo o asceta desdenha, 
Vivendo como um deus no seu mundo interior. 

E que mundo sublime, esse em que ele se agita! 
Mundo que de si mesmo e em si mesmo criou, 
E em cuja criação o seu sangue palpita, 
Que não há deus estranho aos orbes que formou. 

Nem lutas, nem paixões: ideais serenidades 
Em que o Tempo se esvai sob o encanto da Hora... 
O passado e o porvir são ânsias e saudades: 
Só no instante que passa a plenitude mora. 

Sombra crepuscular, que a Noite não atinge, 
Nem a Aurora desfaz: rosicler e luar, 
Meia tinta em que a Alma abre os lábios de Esfinge, 
E o seu mistério ensina a quem sabe escutar. 

Mas então, inundando essa penumbra doce, 
De não sei que sublime esplendor sideral, 
Como se a emanação dum ser divino fosse, 
Deixa no nosso olhar um reflexo imortal. 

Na vertigem que a vida exalta e desvaria, 
Pára alguém para ouvir um coração que bate 
No seio mais formoso, o olhar que se extasia 
Vê o mundo que nele em ânsias se debate? 

É só na solidão que a alma se revela, 
Como uma flor nocturna as pétalas abrindo, 
A uma luz, que é talvez o clarão duma estrela, 
Talvez o olhar de Deus, de astro em astro caindo... 

E dessa luz, a flor sem forma, há pouco obscura, 
Recebe o seu quinhão de graça e de pureza, 
Como das mãos do artista, animando a escultura, 
O mármore recebe a sua alma — a Beleza. 

Se sofrer é pensar, na paz do isolamento, 
Como dum cálix cheio o líquido extravasa, 
A Dor, que a Alma empolgou, transborda em 
                                                          [pensamento, 
E a pouco e pouco extingue o fogo em que se 
                                                                   [abrasa. 

Como a montanha de oiro, a Alma, em seu 
                                                             [mistério, 
À superfície nunca o seu teor revela; 
Só depois de sondado e fundido o minério 
Se conhece a riqueza acumulada nela. 

Corações que a Existência em tumulto arrebata! 
Esse oiro só se extrai do minério candente, 
No silêncio, na paz, na quietação abstracta, 
Das estrelas do céu sob o olhar indulgente... 



António Feijó, in 'Sol de Inverno'

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Natal... Um Feliz Natal....

Natal.... Durante anos há anos atrás, era realmente um Feliz Natal.... com o passar do tempo as pessoas se tornaram mais frias até nessa data comemorativa que costumava reunir família e amigos, todos juntos em um único lugar, todos se divertindo e felizes... Agora... não passa de uma simples data, onde cada um está em seu canto, comendo e fingindo comemorarem algo ou fingindo se divertirem, mesmo estando visivelmente claro que não....Anos atrás víamos as ruas enfeitadas, cheias de luzes, todos comemorando, felizes sem preocupações... Agora... Todos se preocupam com tudo, alguns com as vidas dos outros, outros com si mesmos, outros com ninguém... As comemorações se tornam cada ano mais negras, simplesmente se apagando dos corações das pessoas... Não existe mais aquele sentimento alegre mutuo e carinhoso, não existe mais aquele puro calor humano que aconchegava uns aos outros em simples e pura harmonia e bel-prazer....Não consigo aceitar o rumo que a sociedade está tomando, o clima somb…

Vale a pena tentar ser melhor? Viver x Existir

Sabe... Eu havia começado esse ano com o objetivo de tentar ser uma pessoa melhor para todos e para mim mesmo... Mais a cada dia que se passa, eu duvido que valha a pena ser uma pessoa melhor... Por algum motivo, parece que as pessoas entendem que ser melhor é se tornar bobo e ingênuo. Eu sou uma pessoa de poucas amizades e poucos amores. Amo poucas mulheres, amo a minha namorada que está comigo, as únicas outras mulheres que amo e admiro da mesma forma são minha mãe e minha avó, nenhuma além dessas mulheres, as demais eu apenas respeito, como já me disseram várias vezes, eu sou bem insensível com as pessoas, não faço por mal, é apenas um reflexo de auto-defesa eu acho... Um reflexo do tanto que as pessoas já me decepcionaram durante todos esses anos, cada dia mais, das coisas cruéis que já ouvi e ouço, das que já sobrevivi e ainda sobrevivo.... É tanta coisa que hoje eu já não vivo, não sinto, apenas existo. Existo em um mundo que caminho sobre meus rancores, palavras não ditas e ati…

....

Não me agrada disputar atenção. Eu sempre vou ser a pessoa que perde, entende? A pessoa deixada, substituída, desinteressante. Não, isso não é complexo, não: é estatística. Tenho vida afora muitas provas disso e não reclamo, não interprete isso como uma reclamação. Apenas quero contar que jogo a toalha antes de entrar no ringue, por assim dizer. Jogo o meu corpo para o lado por conta própria antes de levar o soco e precisar de maca, remédios e recuperação. Já nem entro mais nas disputas; eu perdi o ar de tanto tentar.

  — Camila Costa.


Fonte:Sei la, Vi no tumblr