Pular para o conteúdo principal

Hino a Solidão

Diz-se que a solidão torna a vida um deserto; 
Mas quem sabe viver com a sua alma nunca 
Se encontra só; a Alma é um mundo, um mundo 
                                                                [aberto 
Cujo átrio, a nossos pés, de pétalas se junca. 

Mundo vasto que mil existências povoam: 
Imagens, concepções, formas do sentimento, 
— Sonhos puros que nele em beleza revoam 
E ficam a brilhar, sóis do seu firmamento. 

Dia a dia, hora a hora, o Pensamento lavra 
Esse fecundo chão onde se esconde e medra 
A semente que vai germinar na Palavra, 
Cantar no Som, flores na Cor, sorrir na Pedra! 

Basta que certa luz de seus raios aqueça 
A semente que jaz na sua leiva escondida, 
Para que ela, a sorrir, desabroche e floresça, 
De perfumes enchendo as estradas da Vida. 

Sei que embora essa luz nem para todos tenha 
O mesmo brilho, o mesmo impulso criador, 
Da Glória, sempre vã, todo o asceta desdenha, 
Vivendo como um deus no seu mundo interior. 

E que mundo sublime, esse em que ele se agita! 
Mundo que de si mesmo e em si mesmo criou, 
E em cuja criação o seu sangue palpita, 
Que não há deus estranho aos orbes que formou. 

Nem lutas, nem paixões: ideais serenidades 
Em que o Tempo se esvai sob o encanto da Hora... 
O passado e o porvir são ânsias e saudades: 
Só no instante que passa a plenitude mora. 

Sombra crepuscular, que a Noite não atinge, 
Nem a Aurora desfaz: rosicler e luar, 
Meia tinta em que a Alma abre os lábios de Esfinge, 
E o seu mistério ensina a quem sabe escutar. 

Mas então, inundando essa penumbra doce, 
De não sei que sublime esplendor sideral, 
Como se a emanação dum ser divino fosse, 
Deixa no nosso olhar um reflexo imortal. 

Na vertigem que a vida exalta e desvaria, 
Pára alguém para ouvir um coração que bate 
No seio mais formoso, o olhar que se extasia 
Vê o mundo que nele em ânsias se debate? 

É só na solidão que a alma se revela, 
Como uma flor nocturna as pétalas abrindo, 
A uma luz, que é talvez o clarão duma estrela, 
Talvez o olhar de Deus, de astro em astro caindo... 

E dessa luz, a flor sem forma, há pouco obscura, 
Recebe o seu quinhão de graça e de pureza, 
Como das mãos do artista, animando a escultura, 
O mármore recebe a sua alma — a Beleza. 

Se sofrer é pensar, na paz do isolamento, 
Como dum cálix cheio o líquido extravasa, 
A Dor, que a Alma empolgou, transborda em 
                                                          [pensamento, 
E a pouco e pouco extingue o fogo em que se 
                                                                   [abrasa. 

Como a montanha de oiro, a Alma, em seu 
                                                             [mistério, 
À superfície nunca o seu teor revela; 
Só depois de sondado e fundido o minério 
Se conhece a riqueza acumulada nela. 

Corações que a Existência em tumulto arrebata! 
Esse oiro só se extrai do minério candente, 
No silêncio, na paz, na quietação abstracta, 
Das estrelas do céu sob o olhar indulgente... 



António Feijó, in 'Sol de Inverno'

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dolorem Aeternum

Sabe, e triste quando uma pessoa te cobra aquilo que nem mesmo ela fornece. Uma vida hipócrita, uma mágoa profunda. Carinhos e palavras que nunca recebi mais que sempre sou cobrado por também não fazê-los. Homens também gostam de receber carinhos, escutar bonitas palavras, gosta de ouvir "como foi seu dia?" Mesmo sabendo que a pessoa não se importa, gosta que mostre que se preocupa... Nossa chama começa a se apagar a partir daquele momento em que somos tratados com descaso, desprezo e ignorância, onde mais exigem do que cooperam... Também gostamos de atividades em família, quando nenhum precisar forçar o outro a fazer o que não quer... Infelizmente aos poucos a vida transformam nossos corações aos poucos em enormes pedras de gelo a cada dia um pouco mais.

Sentimentos... Complexidade em cultivar...

O amor... Como o amor pode ser algo tão complicado e complexo para mim... Como pode ser tão difícil cultivar esse "lindo" sentimento... Afinal... O que realmente é o amor? Realmente existe isso? Ou apenas é só mais um jogo de interesse, ou uma necessidade de se adequar aos padrões aceitáveis da sociedade tendo alguém para "viver e morrer juntos"... Não sei... Ninguém sabe... Pode ser várias coisas... Sabe.. eu invejo os poucos casais que conheço que realmente se "amam" se são super bem e são realmente felizes um na presença do outro... Invejo de uma forma boa, melhorando o termo, eu admiro essas pessoas, a vida saudável que elas levam, a linda família que eles formam... Mais não espero que o mesmo um dia me aconteça, não vale a pena, não para o meu sangue... Vivo de relacionamentos turbulentos, às vezes por eu me importar de mais e as vezes por me importar de menos... Muitas vezes perco a vontade de seguir em frente quando o relacionamento se baseia em i…

Arco e Flecha da Lótus Escarlate "Guren No Yumiya"

Eles são a caça
E nós os caçadores!

Pobreza! Pobreza! Só há pobreza! Pobreza, mas nós somos os caçadores!
Pânico! Pânico! Só há pânico! Pânico, mas nós somos os caçadores!

Ninguém se lembra dos nomes das flores esmagadas
Pássaros caídos esperam o próximo vento para tentar novamente

Achou que tinha rezado, mas isso não irá adiantar de nada
Apenas aqueles que podem lutar podem mudar nosso mundo

Andando nos cadáveres, nós marchamos em frente, porcos rindo da nossa vontade de progresso
Vivendo com uma prosperidade falsa como gado, nós deveríamos agarrar nossa liberdade como lobos famintos!

Responda a humilhação com flechas de retaliação
No lado distante da muralha, a presa é morta pelo caçador
Como nossos corpos queimando de um transbordante desejo
“Uma flecha flamejante

Voa vindo do escarlate crepúsculo!"

Mas nós somos os caçadores!
Pânico! Pânico! Só há pânico! Pânico, mas nós somos os caçadores!

Pego meu arco, sigo minha presa, não vou deixá-la fugir
Armo meu arco, chego mais preto, n…