Pular para o conteúdo principal

16 de outubro de 1985.

Rua 42: seios nus se esparramam de todos os outdoors, de todos os cartazes, sujando a  calçada. Me ofereceram amor sueco e amor francês... mas não amor americano. Amor americano; como Coca em garrafas de vidro verde...eles não fazem mais. Pensei na história do Moloch a caminho do cemitério. Pode ser mentira. Parte de uma vingança planejada durante uma década atrás das grades. Mas, se for verdade, o que significa? Referência intrigante a uma ilha. Também ao Dr. Manhattan. Será que ele corre perigo? Tantas perguntas. Tudo bem. Respostas em breve. Nada é insolúvel. Existe esperança. Enquanto houver vida. No cemitério, cruzes brancas se enfileram, marcas de giz numa lousa gigante. Faço última visita em silêncio, sem alarde. Edward Morgan Blake. Nascido em 1924. Comediante por 45 anos. Falecido em 1985, enterrado na chuva. É o que acontece conosco? Uma vida de conflitos sem tempo para amigos... e no fim só nossos inimigos deixam rosas. Vidas violentas terminando violentamente. Dollar Bill, Silhouette, Capitão Metrópolis... nós nunca morremos na cama. Não é permitido. Algo da nossa personalidade, talvez? Algum impulso animal para lutar e se debater, fazendo de nós o que somos? Não é importante. Fazemos o que deve ser feito. Outros enterram a cabeça entre as tetas inchadas da indulgência e da gratificação, leitões procurando abrigo debaixo de uma porca... e o futuro se avista como um trem expresso. Blake entendia. Tratava tudo como piada, mas entendia. Ele viu as rachas na sociedade. Viu os homenzinhos de máscara tentando remendar tudo... Ele viu a verdadeira face do século 20 e escolheu se tornar um reflexo, uma paródia desses tempos. Ninguém mais viu a piada. Por isso a sua solidão. Ouvi uma piada uma vez: Homem vai ao médico. Diz que está deprimido. Diz que a vida parece dura e cruel. Conta que se sente só num mundo ameaçador onde o que se anuncia é vago e incerto. Médico diz: "Tratamento é simples. O grande palhaço Pagliacci está na cidade. Assista ao espetáculo. Isso deve animá-lo." Homem se desfaz em lágrimas. E diz: "Mas, doutor... eu sou o Pagliacci." Boa piada. Todo mundo ri. Rufam os tambores. Desce o pano.


                                                         ▬ DIÁRIO DE RORSCHACH

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Arco e Flecha da Lótus Escarlate "Guren No Yumiya"

Eles são a caça
E nós os caçadores!

Pobreza! Pobreza! Só há pobreza! Pobreza, mas nós somos os caçadores!
Pânico! Pânico! Só há pânico! Pânico, mas nós somos os caçadores!

Ninguém se lembra dos nomes das flores esmagadas
Pássaros caídos esperam o próximo vento para tentar novamente

Achou que tinha rezado, mas isso não irá adiantar de nada
Apenas aqueles que podem lutar podem mudar nosso mundo

Andando nos cadáveres, nós marchamos em frente, porcos rindo da nossa vontade de progresso
Vivendo com uma prosperidade falsa como gado, nós deveríamos agarrar nossa liberdade como lobos famintos!

Responda a humilhação com flechas de retaliação
No lado distante da muralha, a presa é morta pelo caçador
Como nossos corpos queimando de um transbordante desejo
“Uma flecha flamejante

Voa vindo do escarlate crepúsculo!"

Mas nós somos os caçadores!
Pânico! Pânico! Só há pânico! Pânico, mas nós somos os caçadores!

Pego meu arco, sigo minha presa, não vou deixá-la fugir
Armo meu arco, chego mais preto, n…

Colapso neural....

Todos temos um passado... No qual aquele que nos fez como somos hoje... Porém alguns passados ficam presos a você, tão presos que você acaba se tornando parcialmente tão ruim como eles... Quando digo "passado" não me refiro a bons momentos, pelo contrário... Me refiro aos maus momentos, eles sim é que vão moldar o seu "eu" atual...


Eu já tive muitos momentos bons no passado.... Porém sempre fui marcado pelos péssimos momentos, momentos que não consigo esquecer, rancores que guardo sem necessidade pela incapacidade de não conseguir esquecer, momentos que me fazem odiar toda a escória humana incluindo a mim mesmo, sentimentos que a cada minuto se acumula mais e mais, principalmente nos tempos de hoje... Cada dia que passa sinto que aquela pequena parede que separa a sanidade da insanidade e paranóia esteja ficando muito fina... Ainda ha pessoas que realmente amo nesse mundo, pessoas pelas quais morreria de bom grado, pessoas elas quais infelizmente não consigo demons…

Externata malo

Sabe..... Fazia tempos que não escrevia... Por mais que não me faltasse palavras para escrever, eu optava por não escrever.... A vida é realmente cansativa e desinteressante, as pessoa em nossa volta são completamente entediantes e necessitadas de atenção extrema e infelizmente eu não sou sensível o bastante (um dia já fui) para perder meu tempo com isso.... Fornecendo atenção desnecessária para manter o ego de outra pessoa.... Queria eu, voltar a ter empatia pelas pessoas e deixar um louco a sensatez de lado.... As pessoas almejam a verdade mais escolhem a mentira por medo de se machucaram... Queria conseguir sentir qualquer coisa por seres humanos, mais já não consigo... é tão difícil e desgastante tentar conservar o afeto nas pessoas, seria tão mais simples e satisfatório se cada um ficasse em seus cantos, falando com suas vozes interiores,  evitando discussões desnecessárias e brigas estúpidas,  seria tão melhor se as pessoas fossem todas sensatas e não jogasse seus desejos e suas…