Pular para o conteúdo principal

16 de outubro de 1985.

Rua 42: seios nus se esparramam de todos os outdoors, de todos os cartazes, sujando a  calçada. Me ofereceram amor sueco e amor francês... mas não amor americano. Amor americano; como Coca em garrafas de vidro verde...eles não fazem mais. Pensei na história do Moloch a caminho do cemitério. Pode ser mentira. Parte de uma vingança planejada durante uma década atrás das grades. Mas, se for verdade, o que significa? Referência intrigante a uma ilha. Também ao Dr. Manhattan. Será que ele corre perigo? Tantas perguntas. Tudo bem. Respostas em breve. Nada é insolúvel. Existe esperança. Enquanto houver vida. No cemitério, cruzes brancas se enfileram, marcas de giz numa lousa gigante. Faço última visita em silêncio, sem alarde. Edward Morgan Blake. Nascido em 1924. Comediante por 45 anos. Falecido em 1985, enterrado na chuva. É o que acontece conosco? Uma vida de conflitos sem tempo para amigos... e no fim só nossos inimigos deixam rosas. Vidas violentas terminando violentamente. Dollar Bill, Silhouette, Capitão Metrópolis... nós nunca morremos na cama. Não é permitido. Algo da nossa personalidade, talvez? Algum impulso animal para lutar e se debater, fazendo de nós o que somos? Não é importante. Fazemos o que deve ser feito. Outros enterram a cabeça entre as tetas inchadas da indulgência e da gratificação, leitões procurando abrigo debaixo de uma porca... e o futuro se avista como um trem expresso. Blake entendia. Tratava tudo como piada, mas entendia. Ele viu as rachas na sociedade. Viu os homenzinhos de máscara tentando remendar tudo... Ele viu a verdadeira face do século 20 e escolheu se tornar um reflexo, uma paródia desses tempos. Ninguém mais viu a piada. Por isso a sua solidão. Ouvi uma piada uma vez: Homem vai ao médico. Diz que está deprimido. Diz que a vida parece dura e cruel. Conta que se sente só num mundo ameaçador onde o que se anuncia é vago e incerto. Médico diz: "Tratamento é simples. O grande palhaço Pagliacci está na cidade. Assista ao espetáculo. Isso deve animá-lo." Homem se desfaz em lágrimas. E diz: "Mas, doutor... eu sou o Pagliacci." Boa piada. Todo mundo ri. Rufam os tambores. Desce o pano.


                                                         ▬ DIÁRIO DE RORSCHACH

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Natal... Um Feliz Natal....

Natal.... Durante anos há anos atrás, era realmente um Feliz Natal.... com o passar do tempo as pessoas se tornaram mais frias até nessa data comemorativa que costumava reunir família e amigos, todos juntos em um único lugar, todos se divertindo e felizes... Agora... não passa de uma simples data, onde cada um está em seu canto, comendo e fingindo comemorarem algo ou fingindo se divertirem, mesmo estando visivelmente claro que não....Anos atrás víamos as ruas enfeitadas, cheias de luzes, todos comemorando, felizes sem preocupações... Agora... Todos se preocupam com tudo, alguns com as vidas dos outros, outros com si mesmos, outros com ninguém... As comemorações se tornam cada ano mais negras, simplesmente se apagando dos corações das pessoas... Não existe mais aquele sentimento alegre mutuo e carinhoso, não existe mais aquele puro calor humano que aconchegava uns aos outros em simples e pura harmonia e bel-prazer....Não consigo aceitar o rumo que a sociedade está tomando, o clima somb…

Vale a pena tentar ser melhor? Viver x Existir

Sabe... Eu havia começado esse ano com o objetivo de tentar ser uma pessoa melhor para todos e para mim mesmo... Mais a cada dia que se passa, eu duvido que valha a pena ser uma pessoa melhor... Por algum motivo, parece que as pessoas entendem que ser melhor é se tornar bobo e ingênuo. Eu sou uma pessoa de poucas amizades e poucos amores. Amo poucas mulheres, amo a minha namorada que está comigo, as únicas outras mulheres que amo e admiro da mesma forma são minha mãe e minha avó, nenhuma além dessas mulheres, as demais eu apenas respeito, como já me disseram várias vezes, eu sou bem insensível com as pessoas, não faço por mal, é apenas um reflexo de auto-defesa eu acho... Um reflexo do tanto que as pessoas já me decepcionaram durante todos esses anos, cada dia mais, das coisas cruéis que já ouvi e ouço, das que já sobrevivi e ainda sobrevivo.... É tanta coisa que hoje eu já não vivo, não sinto, apenas existo. Existo em um mundo que caminho sobre meus rancores, palavras não ditas e ati…

....

Não me agrada disputar atenção. Eu sempre vou ser a pessoa que perde, entende? A pessoa deixada, substituída, desinteressante. Não, isso não é complexo, não: é estatística. Tenho vida afora muitas provas disso e não reclamo, não interprete isso como uma reclamação. Apenas quero contar que jogo a toalha antes de entrar no ringue, por assim dizer. Jogo o meu corpo para o lado por conta própria antes de levar o soco e precisar de maca, remédios e recuperação. Já nem entro mais nas disputas; eu perdi o ar de tanto tentar.

  — Camila Costa.


Fonte:Sei la, Vi no tumblr